quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Sozinho

Desde a infância, eu não tenho sido 
Como outros foram - eu não vi 
Como outros viram - não pude trazer 
Paixões de uma fonte comum:
Da mesma fonte, não tomei 
Minha tristeza, - eu não podia despertar 
Meu coração se alegrava no mesmo tom 
E tudo que eu amei, - eu amei sozinho - 
Então - na minha infância - na madrugada
 De uma vida mais tempestuosa, - foi elaborado 
De qualquer profundidade de bem e mal 
O mistério que me liga ainda 
Da torrente ou da fonte, 
Do rochedo vermelho da montanha - 
Do sol que volta de mim roda 
No seu tom de outono de ouro 
Do brilhante céu enquanto passa por mim voando por
Do trovão e da tempestade 
E a nuvem que tomou a forma 
(Quando o resto do céu era azul)
De um demônio em minha opinião 

                               - Autor desconhecido

Reacções:

0 Rabiscos:

Enviar um comentário