Crítica Literária - Na Cama com um Highlander

"A escritora é conhecida pelos seus livros eróticos, um já foi publicado em Portugal (Obsessão) e o segundo já vem aí (Submissa), mas este livro apresenta uma atmosférica mais romântica, uma escrita leve com cenas engraçadas, divertidas e por vezes até sensuais. "

Crítica Literária - Pecados Escondidos

"Julianne foi uma personagem que me cativou bastante pelo facto de não ser uma rapariga mimada e cabeça de vento (muito costume na época), mas sim uma jovem bastante humilde e que chega a pensar primeiros nos outros e depois nela própria. "

Crítica Literária - O Beijo Encantado

"Para a época em que o livro se passa, os diálogos têm um q.b de texto moderno, mas que torna o livro apetitoso e rápido. "

Crítica Literária - Inocência perdida

Nora Roberts volta a surpreender-me, voltando a enganar-me. Pensei que pela primeira vez tinha descoberto quem era o vilão da história mas nas últimas páginas houve uma reviravolta que me fez ficar de queixo caído, literalmente!

Crítica literária - Rosa Selvagem

"No início do livro, a autora acaba por desenvolver o tema de diferenças de classes mas acaba por ir diminuindo essas referências, o que acabou por haver um ambiente de "mundo cor-de-rosa" em vez de um mundo realista. "

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

És tu e só tu...

Passo noite sem dormir,
É terrível o meu tormento
Nem de dia, nem de noite
Me sais do pensamento
És tu e só tu,
Que completas o meu ser.

Quando tu me olhas nos olhos,
E dizes que me amas,
Tudo fica bem,
Quando estás aqui do meu lado,
Tudo fica bem,
Eu encontro o meu paraíso.

Quanto tempo irei eu esperar,
Para estar contigo novamente,
Vou dizer que te amo,
Da melhor maneira que existir
És tu e só tu
Que fazes a minha escuridão desaparecer
És tu e só tu
Que me iluminas ao anoitecer

Não posso suportar um dia sem estares aqui,
Quero um amor de verdade,
Eu preciso de te encontrar…
Preciso de ti para sobreviver,
Amo meu lado na minha vida,
Para tudo combater. 


Directamente até ti

Comecei a caminhar num caminho estreito
À uns anos atrás
À espera de encontrar um amor verdadeiro
Ao longo da caminhada
Perdi-me umas duas ou três vezes
Não conseguia entender
Aperceber-me
Que todos os sinais apontavam para ti
Todos os desgostos
Eram estrelas no norte
Que me caminhavam até ti
Dentro dos teus braços calorosos
Eu sei que é verdade
Que alguém abençoou este caminho
E que me guiou directamente até ti
Penso.. e volto a pensar
Nos anos em que andava de um lado para o outro
A perguntar-me se existia alguém por aí
À minha espera
Mas tu…
Bastou sorrir e pegar na minha mão
Sempre estiveste lá
É tudo parte de um plano
Que se está a formar
E a crescer cada vez mais
Apesar de o meu coração já se ter quebrado
Tu colaste-o
E agora estou apenas a ir pelo meu destino
Ao teu lado
Dentro dos teus braços amorosos
De mãos dadas
Caminhando por este caminho
Que alguém abençoou este caminho
E que me guiou directamente até ti


Acordar

Acordo…
E volto a chorar…
A tua imagem não sai da minha cabeça
E as lágrimas continuam a cair…
Eu não quero sentir nada…
Eu dei-te tudo
Dei-te o meu coração
E agora perdi tudo…
Eu quase não posso lembrar a ultima vez que
eu senti como eu me sinto
Compartilhei o ar que respiro
Eu estou tentando realmente não tremer
Estou a roer as minhas unhas
Eras a chave da minha sobrevivência
E a ela agora perdeu-se…
Quero adormecer..
E não voltar acordar
Perder-me na escuridão
Só quero ouvir-te a ti
Ouvir-te a chamar o meu nome
Mostraste-me como viver
E agora como morrer…
Tu mudaste-me
E agora…
Só quero que digas…
O meu nome no meu ouvido
Quando eu
Acordar…


segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Sonhos de Menina

Sonhos de menina

Era ainda uma pequena menina e já sonhava,
Ter no futuro um eterno romance de amor,
Quando pelos frescos campos vagueava
Ao entardecer da estação do estio e calor.


Surge quando menos se espera,
De onde nunca pensámos poder vir,
Com o amor tudo se altera,
Tudo se torna razão para sorrir.


O amor verdadeiro é feito de ferro,
Com poderes infinitos,
Vagueia lutando,
Num mundo de corações aflitos.


Com amor sonho alto
E das profundezas te chamo
Para gritar ao mundo o quanto te amo
.

Bem-vindo à minha vida

Já te sentistes a explodir?
Fora de lugar?
Como se não fosses daqui
E ninguém te entendesse?
Já quiseste fugir?
Trancaste no teu quarto?
Com a música ligada
Bem alta, capaz de abafar o teu choro
Para ninguém te ouvir gritar
Não sabes…
Quando nada aparece bem
Não sabes como é
Ser como eu!
Ser magoado, perderes-te
Ser abandonado na escuridão
Deitar-te no chão frio
Não ter ninguém para te salvar
Não sabes como é
Bem vindo à minha vida
Queres ser outra pessoa?
Estás cansado de ser posto de lado?
Estás desesperado?
Queres que a vida acabe?
Estás preso em algo que odeias?
Estás cansado de tudo e de todos?
Com mentiras, e sorrisos falsos
Enquanto tu estás abandonado?
Não, não sabes como é ser como eu!
Deves pensar que sou feliz,
Mas eu não vou ficar bem!
Sempre tiveste tudo,
Não precisaste de trabalhar
Bem vindo à minha vida.!

Decepções...

O meu coração parte-se,
A vontade chorar é inevitável…
Quero gritar o mais alto que consiga,
Até ficar sem voz…
O mundo começa a dar voltas na minha cabeça.
E a desconfiança apodera-se de mim…
Sempre me engano com as pessoas que me enlouquecem.
Tu és o culpado… Decepcionas-te…
Eu sou culpada… Porque acreditei em ti…
A minha confiança desmoronou…
Um desmoronamento múltiplo de sentimentos.
A única coisa que posso fazer é lamentar,
E rezar para que não aconteça mais,
Pois a cada decepção,
Fica mais difícil reconstruir um mundo de sentimentos puros!

Palavras...

“Há palavras que fazem bater mais depressa o coração – todas as palavras – umas mais do que outras, qualquer mais do que todas. Conforme os lugares e as posições das palavras. Segundo o lado d’onde se ouvem – do lado do Sol ou do lado onde não dá o Sol.”
Há palavras que nada me dizem ou se dizem, dizem apenas aquilo a que se referem. Todas as palavras dizem algo mas a maioria a mim diz-me pouco. Há palavras que dizem algo sozinhas, mas duas palavras já dizem mais. Porém há palavras sozinhas que dizem muito mais que três ou quatro, cinco palavras juntas. Dessas palavras sozinhas há aquelas que me perturbam, agitam e que me aceleram o coração. As palavras são seguramente perigosas nesta tentativa de ir gerindo a vida; as palavras ferem, as palavras cortam, podem ser brutais. Mas como tudo na vida, há o lado preto e branco das coisas, e há palavras que nos beijam, que nos aquecem o coração, palavras de amor e esperança. Elas são labirintos sem fim. São com elas que nos encontramos, quando não podemos estar mais perto fisicamente.


Quando se está apaixonado não há nada melhor que declarar esse amor por palavras, que nos vai fazer bater mais depressão o coração. O meu coração palpita quando ouço o nome dele, fazendo que a minha mente vagueie pelos momentos que já vivemos e iremos viver.


Assim, as palavras que me fazem bater mais depressa o coração são todas sobre ele, sobre nós.


Isto acontece porque não contigo tirar-te do meu pensamento. No momento em que nos conhecemos, eu ainda não sabia que estava a olhar para um rosto que eu nunca vou esquecer.


Há palavras que abraçam e recriam e afastam as trevas do desencanto e da desconfiança e dos ciúmes. Palavras que fazem o coração bater mais depressa, que arrepiam de prazer, e espalham um perfume inesperado.


Isto.. É mais do que palavras.




Tudo por este amor


Caminho ao longo da estrada,
Na direcção dos sonhos,
à procura de ser amada,
Numa noite de Outono.

Entre as guerras do meu ser,
Luto pela tua beleza,
Acabarei por morrer
Sem a tua pureza?

A minha alma é escuridão,
Não é livre como o mar,
Espero até ao dia que no coração
Renascerá o luar.

Para nos meus braços te ter,
Esse dia acontecerá?
Prometo-te que
Este amor não acabará!

Incertezas

A vontade era mais forte que o desejo.
A minha cabeça dizia cabeça dizia não, mas o coração desesperava pelo sim.
Passei pelos mesmos sítios por onde andas, na esperança de te encontrar.
A minha alma necessitava, gritava pelo teu toque...
Procurei-te na rua, em cada rosto que se atravessa no meu caminho.
Amei, desejei, orei, quis... ter-te, ali. Só nós.

Aprendizagem

Aprendi que...
~    Amores eternos podem acabar numa noite;
~    As promessas e juras de amor não duram para toda a eternidade;
~    Grandes amigos podem-se tornar grandes inimigos;
~    O amor sozinho não tem a força que eu imaginei;
~    Ouvir os outros é o melhor remédio e o pior veneno;
~    Nunca conhecemos alguém de verdade, aliás andamos uma vida inteira para nos conhecermos a nós próprios;
~    São poucos os amigos que te apoiam e agarram na queda;
~    O “nunca mais” se repete e cumpre;
~    O “para sempre” sempre acaba de uma maneira ou outra;
~    A minha família está sempre presente quando preciso;
~    Ainda não inventaram nada melhor que os carinhos da minha mãe, desde que o mundo é mundo;
~    Vou-me sempre surpreender, seja comigo ou com os outros;
~    Vou cair e levantar milhões de vezes no percurso da minha vida;
~    Ainda não inventaram uma imagem tão bela como os olhos verdes dele;
~    Ainda não aprendi tudo nem vou aprender...


Eu apenas queria que soubesses que..

...todas as noites lembro e esqueço como foi o dia, como foi bom te ter, que invento histórias na frente do espelho, que tudo que leio e me lembra o amor faz-me ver eu e tu, juntos ,que sinto a tua falta a todo momento, que faço planos para ficar contigo, que canto músicas como se estivesse cantando para ti, que tudo que eu desejo é ver esse teu sorriso lindo sempre no teu rosto, que guardo todos os pequenos detalhes, que não há presente maior do que ganhar um beijo teu, que longe de ti eu olho para as nossas fotos e rio sozinha, que lembro, como se fosse ontem, o dia em que nos conhecemos, que para mim és a pessoa mais linda do mundo, que deixei manias e gostos por ti, ou melhor estou tentando, que tudo faz com que estejas no meu pensamento, que escrevo poemas e textos sobre nós dois, que amo dormir nos teus braços e enquanto me acaricies o cabelo, que  mesmo triste busco um sorriso pra te dar, que palavras nem atitudes demonstram o meu carinho por ti, que os teus olhos verdes deixam-me enfeitiçada, que o nosso amor está escrito nas estrelas...

Eu apenas queria que soubesses que todo o amor que tenho foste tu que me deste.

Medo

Sou como um livro aberto, cujas páginas acabaram de ser impressas, e cujo coração salta para lá do suposto, sentimos medo, eu sinto medo…especialmente do que os meus olhos não são capazes de ver, será estupidez? Paranóia? Ou simplesmente…nada, um grande nada!
Tenho medo…medo de um dia acordar e não conseguir respirar mais, medo de sofrer continuamente todos os dias, medo de não ser amada, medo de desiludir quem eu mais gosto, tanto medo que sinto…medo que não quero sentir, e principalmente medo de não o sentir.
Tenho medo do medo, e medo de não sentir esse medo, porque sei que quando não sentir medo, vou estar morta, no fim, sem visão do mundo.
É uma coisa tão superficial…se pudesses matar algo…seja o que for matarias o medo? O medo que sentes? Ou algo como a morte?
Se me perguntassem diria que não mataria nem o medo, nem a morte, mas sim o sofrimento. Coisas como o medo e a morte, são coisas naturais, para que viver se por exemplo ficas dependente de alguém? Sem puder mexer, ou até sem falar, mataria a velhice, que de um modo a outro irá sempre levar ao sofrimento.
E depois de tudo estar esclarecido, o medo que sinto, não se compara à dor que possa vir a sentir, mas sim tenho medo, muito medo, mas não de o sentir.
Depois de tudo, anular, excluir, cancelar, eliminar, banir, afastar, retirar da vida o sofrimento é a escolha correcta.
Mas mesmo assim não consigo deixar de pensar no medo que sinto, de tudo que me rodeia! Serei uma pessoa que exagera? Talvez…mas assim tenho a certeza que estou viva, que tudo o que me rodeia é um sinal de que eu estou entre eles, um sinal de que talvez quando perder esse medo não seja tarde demais.
Reflicto sobre isto sempre que posso, mas nunca chego a uma conclusão, até agora…agora consigo ver melhor como realmente sou, acho que…sempre soube, mas tive medo de o admitir, e ali está aquela palavra.
Medo!                                                                                                          

Caminhos e decisões


Não tive medo de abrir mão de pessoas que julgava serem essenciais em minha vida. Se me faziam mal não havia sentido em mantê-las perto de mim. Ou havia? O fato de desapegar-me delas, não me torna ingrata ou sofista, pelo contrário, serei eternamente agradecida pelas várias verdades que conseguiram me mostrar e por me fazer entender tudo o que eu não queria ser.

  Não há como negar que não tive momentos bons com tais pessoas, entretanto não foram suficientes para amenizar as tantas vezes em que me fizeram sofrer ou rejeitar a mim mesma.Como conseguiria conviver com o espelho se eu não gostasse da imagem refletida? É por isso que não classifico as minhas escolhas como insensatez, apenas fui em busca de algo melhor, que me fizesse bem e que me desse o prazer da felicidade momentânea.
  Então, mesmo que hoje eu chore vendo o quanto perdi ou que sinta tanta saudade de alguns momentos que me fazem querer voltar atrás. Não me arrependo. São apenas momentos. Passado é passado, não faz sentido desejar regressar e sentir todas as dores novamente, agonizar em um pesadelo. Mesmo que pudesse, não voltaria. E continuarei a filtrar as pessoas que estão ao meu redor, ainda que tal acto reflita na expansão do meu mundo.

  Posso ter me traído em alguns momentos, mas hoje a traição já não é tão frequente. As minhas escolhas, as minhas atitudes e as minhas consequências; amargas, porém ainda são frutos dos caminhos que resolvi trilhar.

Momentos únicos

Não foi amor à primeira vista! Não foi! Estranhei-te, antes de conhecer-te verdadeiramente. Assustaste-me com esse teu jeito de quem chega de repente e arromba toda a minha vida. Mudaste-me os hábitos...os dias e noites.E mesmo assim foi tão difícil resistir-te! Confesso! Conseguiste conquistar-me com um olhar doce, aquele toque suave, o cheiro da tua pele, um sorriso genuíno. Apaixonei-me, aprendi a amar-te, assim, incondicionalmente, intensamente. Aprendi a gostar de tudo em ti e a receber as pequenas "grandes" coisas que tens para me dar. E a cada dia dou por mim a olhar-te, contemplando tudo o que fazes.
Para muita gente, isto é apenas passageiro, para outros, é considerado um milagre, mas o que  eu acho é que estes três anos de namoro, vale por tudo o que já vivemos. As nossas zangas e discussões dão lugar a momentos maravilhosos em que nos preocupamos apenas a sorrir um para o outro. 

Crescer não é fácil


Quem é que disse que crescer é fácil? Às vezes magoa, às vezes impõe, às vezes fraqueja, às vezes enlouquece. Não é por querer que palavras duras brotem do coração e saltam à boca. Não é por prazer que se leva alguém a chorar. O mundo é duro e as pessoas são egoístas, mesmo. Nem sempre vais ser recebido com um sorriso no rosto e com um abraço caloroso. Nem sempre ganharás um beijo sincero. Nem sempre te dirão o quanto és importante para alguém. Por isso, protege as tuas amizades. São conquistas tuas e ninguém mais que tu as merece. Ama a tua família porque ninguém nesse mundo te dará tanta razão quanto ela. Vive para ti, porque se é para ser egoísta, que estejas sempre em primeiro lugar. Ama-te acima de tudo e de todos. Cuida-te bem, porque só tu podes fazer isso. Entende que os obstáculos existem, mas ninguém disse que seriam intransponíveis. Corre atrás dos teus sonhos, mas não vivas no fantástico mundo da fantasia. Mantém os pés no chão e sabe ser humilde. Ajuda o próximo. Chora se sentires vontade. Sorri com intensidade. Liberta-te das falsas amarras. Não deixes que te digam como deves ser e o que tens que fazer. Segue os teus instintos. Achas que estas a fazer tudo errado? Começa de novo. Volta à estaca zero e segue o caminho que melhor te aprouver. Tira essa venda dos olhos e olha melhor ao teu redor. Enxerga o que os outros vêm. Chega de enganares-te. Viver é duro, é complicado, mas necessário. Crescer não é fácil, mas uma hora todo mundo passa por isso. Uma, duas, quantas quedas serão necessárias para se aprender a caminhar? Não sei! Sei que caio até hoje, mas nada me impede de levantar e continuar seguindo em frente.

Desculpas farrapadas


Não sei se eu te amo....


  Eu não sei se eu te amo...
  É difícil, mas... eu não sei se eu te amo e quem sabe até no final eu consiga descobrir o que é isso, afinal.

  Eu sempre ouço a tua voz no meio da multidão, mas acho que és tu quem falas alto demais.
  Eu sempre te localizo em qualquer lugar, mas não tenho culpa se tu chamas atenção.
  Eu sempre olho nos teus olhos e me perco neles, mas deve ser o contexto da nossa conversa que me deixa assim.
  Eu sempre me arrepio quando me abraças, mas já percebi que os nossos abraços acontecem quando o vento está suave.
  Eu sempre tenho taquicardia quando me ligas e isso deve ser culpa da genética.
  Eu sempre sinto uma falta absurda de ti. Como eu não iria sentir, se nós falamos todos os dias?
  Eu sempre tenho as nossas conversas esquematizadas e sempre as esqueço quando tu estás comigo. Mas eu sempre soube também que sou bastante esquecida .
  Eu sempre sinto algo estranho quando te vejo conversando com outras, mas não ligues...é só auto-preservação (sabes, da amizade né?) 
  É, eu sempre fui muito boa com desculpas esfarrapadas...

#És a página mais linda que o destino escreveu na minha vida.

Poucas palavras...

Lembra-te… O amor só permanece, supera os obstáculos, aceita as qualidades e defeitos de ambos e mostra-nos que realmente faz valer a pena se for realmente verdadeiro.
As coisas podem estar bem num dia, e no outro acabarem. Mas lembra-te, que as coisas podem ficar bem novamente, tão rápido como ficaram mal, com outro rumo e outras esperanças. Nada é certo. Nada tem garantias.
Depende de ti se queres sorrir e viver, ou ficares a lamentar-te por algo de mal ter acontecido. O que está feito, está feito. Não te prendas ao passado, vive o presente.

Consequências do amor

O amor torna as pessoas cegas, vivendo no mundo de ilusões. Temos muitas vezes a realidade à nossa frente, mas fechamos-lhes os olhos. Fazemos promessas que não cumprimos. Enchemos-nos de esperanças, imaginando como será se um dia essas esperanças existirem mesmo.
Não te deixes iludir. Não acredites em realidades falsas. Não permitas que te usem e te controlem como querem. Acredita em ti, antes de tudo. Acredita naquilo que és.
Doi seguires em frente? A  dor chega a ser tão poderosa como a força dos oceanos, mas tal como eles, pode tornar-se nula. Hoje , amanhã, ou um dia.

Pensar é tudo


Pensar é tão importante quanto respirar,
Os pensamentos voam nas asas do vento,
Permitem ao pensador margem de sonhar.
Aprender sem pensar, é tempo perdido.
E quem não pensa será sempre um servo, que mergulha na escuridão.
O pensamento é o passeio da alma, pensar é viver, o pensamento tudo abrange, tudo contém, tudo explica.
A actividade de pensar confere ao homem "asas" para mover-se no mundo e "raízes" para aprofundar-se na realidade.
Pensar é agir com a mente, pensar é crescer.
Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com os nossos pensamentos.
Com os nossos pensamentos, fazemos o nosso mundo.
Pensar é a solidão de um corpo, que reflecte as metamorfoses da vida,
Para encontrar o equilíbrio da alma. 

Sentimento

Se eu te dissesse, o quanto significas para mim, acho que não ias entender. Então eu espero, e espero, até chegar o dia em que entenderás. Mas eu não consigo evitar, não consigo parar de pensar, não consigo parar, estou a enlouquecer. Não consigo controlar-me, estou a fugir ao meu raciocínio. Só sei que te amo, que quero estar contigo, falar contigo, estar contigo… E eu amo-te, e não posso mudar isso. Não sei se estou a transformar isto numa grande confusão, mas não consigo evitar, não posso virar costas ao que sinto. Tenho que encarar os factos, e só sei que a vida sem ti ao meu lado é uma vida incerta. Por favor, beija-me, emociona-me, só não me digas adeus. Abraça-me, ama-me, faz-me chorar, só não me digas adeus. Pode o tempo parar, pode o sol deixar de brilhar, pode o mundo acabar, tudo acontecer, que eu não te vou esquecer. Pode o céu desabar o céu para cima de mim, a luz acabar, mas o meu amor por ti nunca vai desaparecer. Lembra-te… Abraçados de alma e coração, iremos matar os nossos medos. 


Mistérios

"Há mais mistérios entre o Céu e a Terra do que sonha nossa vã filosofia."
- William Shakespeare

Sofrimento


Nós lutamos por nada…
Só nos mostra o quanto fomos estúpidos,
Estamos cegos…
E eles dizem sempre que nunca vai ficar bem
Fechamos os nossos olhos
E ficamos por ali…
Envenenam as nossas mentes
Todos os dias…
E nunca será o mesmo
Todos os dias…
Penso…
Choro…
Grito…
Nunca estará tudo bem!
Fico afastada…
Enterrada nos meus pesadelos
E tu nunca estarás bem
Existem mentiras que nos vão levar à sepultura
Vão nos enterrar…
O sangue ferve por dentro…
Grito o teu nome
Mas tu não respondes…
Revolto-me
Porque quero-te aqui!
E alguém me diz…
A tua revolução é uma piada!
E eu assim fico…
Sozinha, calada…
A sofrer para dentro…
Até que o meu coração pára…

Será o fim




Não aguentei.
Levantei-me, e dirigi-me à casa de banho. Entrei e olhei… Para aquela rapariga que aparecia no espelho, com os olhos em tons de vermelhos por causa das lágrimas. Estas caíam-lhe pela face, a rapariga tentava seca-las com as mãos, mas as lágrimas pareciam ser infinitas. Os meus pensamentos estavam distantes, revoltados, a raiva e a mágoa era mais forte do que tudo naquele momento. Nada existia à minha volta, do que um fumo que não em deixava ver mais além. Pensava apenas naquelas palavras, as palavras que tanto me magoaram. Elas soavam na minha mente, como um fantasma. Não me deixavam, eu queria que elas saíssem na minha mente, queria apaga-las para não me lembrar mais. Não queria recordar. Sofria sozinha. Sofria em silencia. Por momento, pensei que tinha acalmado, as lágrimas tinham cessado. Foi então que as palavras voltaram a invadir o pensamento, preenchendo a minha mente. Não aguentei e as lágrimas voltaram a cair. Não sabia o que fazer. Devia agarrar nas palavras e usa-las para seguir em frente, ou ignora-las e mesmo assim lutar?
O silêncio à minha volta, dada pela noite, davam-me mil e uma respostas diferentes. Todas elas a lutar entre si na minha consciência. Estava com o cheiro dele, o tacto… Relembrando todos os momentos. Seria possivelmente a ultima vez que aquele cheiro, que aquele toque tão suave invadia o meu corpo, deixando-me sonhar com tudo aquilo que ele me fazia lembrar.
Não sou capaz de acreditar que isto estava acontecer. Depois de tudo…Estava a tremer, mas não era de frio… Estava a ficar sem forças. Desisti e regressei para o quarto, agarrei naquilo que me transmitiu as palavras… e ainda mais palavras? Palavras frias, que não mostravam o mínimo de sentimento que ele jurava sentir por mim. Eu não queria acreditar… Queria atirar aquelas palavras contra a parede e observar como elas se despedaçavam à minha frente.
Sentimentos, todos temos. Desistir? Essa era a palavra que julgava não desistir no nosso dicionário, não depois de agora, de tudo o que já vivemos, lutámos e conseguimos juntos. Vai ser difícil se isso acontecer. Sabes porquê? Porque é fácil um “eu” e um “tu” se tornar num “nós”, mas é difícil que esse “nós”, tornar-se naquilo que antes era.
Por agora? Tenciono apenas desaparecer e perder-me nos pensamentos enquanto durmo, mergulhar nos meus sonhos e memórias. Amanhã talvez seja um dia melhor. Assim o espero…