Crítica Literária - Na Cama com um Highlander

"A escritora é conhecida pelos seus livros eróticos, um já foi publicado em Portugal (Obsessão) e o segundo já vem aí (Submissa), mas este livro apresenta uma atmosférica mais romântica, uma escrita leve com cenas engraçadas, divertidas e por vezes até sensuais. "

Crítica Literária - Pecados Escondidos

"Julianne foi uma personagem que me cativou bastante pelo facto de não ser uma rapariga mimada e cabeça de vento (muito costume na época), mas sim uma jovem bastante humilde e que chega a pensar primeiros nos outros e depois nela própria. "

Crítica Literária - O Beijo Encantado

"Para a época em que o livro se passa, os diálogos têm um q.b de texto moderno, mas que torna o livro apetitoso e rápido. "

Crítica Literária - Inocência perdida

Nora Roberts volta a surpreender-me, voltando a enganar-me. Pensei que pela primeira vez tinha descoberto quem era o vilão da história mas nas últimas páginas houve uma reviravolta que me fez ficar de queixo caído, literalmente!

Crítica literária - Rosa Selvagem

"No início do livro, a autora acaba por desenvolver o tema de diferenças de classes mas acaba por ir diminuindo essas referências, o que acabou por haver um ambiente de "mundo cor-de-rosa" em vez de um mundo realista. "

quinta-feira, 29 de março de 2012

Resenha: Crepúsculo de Stephenie Meyer


“Crepúsculo poderia ser como qualquer outra história não fosse um elemento irresistível: o objecto da paixão da protagonista é um vampiro. Assim, soma-se à paixão um perigo sobrenatural temperado com muito suspense, e o resultado é uma leitura de tirar o fôlego - um romance repleto das angústias e incertezas da juventude - o arrebatamento, a atracão, a ansiedade que antecede cada palavra, cada gesto, e todos os medos. Isabella Swan chega à nublada e chuvosa cidadezinha de Forks - último lugar onde gostaria de viver. Tenta se adaptar à vida provinciana na qual aparentemente todos se conhecem, lidar com sua constrangedora falta de coordenação motora e se habituar a morar com um pai com quem nunca conviveu. Em seu destino está Edward Cullen. Ele é lindo, perfeito, misterioso e, à primeira vista, hostil à presença de Bella o que provoca nela uma inquietação desconcertante. Ela se apaixona. Ele, no melhor estilo "amor proibido", alerta: Sou um risco para ti. Ela é uma garota incomum. Ele é um vampiro. Ela precisa aprender a controlar seu corpo quando ele a toca. Ele, a controlar sua sede pelo sangue dela. Em meio a descobertas e sobressaltos, Edward é, sim, perigoso: um perigo que qualquer mulher escolheria correr.”

Quase todos conhecem este fenómeno literário, nem que seja só pela adaptação ao cinema. A verdade é que desde que a Saga Twilight veio ao mundo, os vampiros tiveram um novo renascimento, uns dos livros mais vendidos entre os jovens são os que tem vampiros. Eu conheci este livro em Agosto de 2008,ou seja, muito antes de este ser adaptado a filme e virar um fenómeno mundial. 

Este livro é o típico livro para uma adolescente que sonha por um romance de outro mundo, uma adolescente romântica, sim, eu sou uma dessas adolescentes, e talvez seja essa o motivo pelo qual me apaixonei e agarrei tanto por este livro quando comecei a lê-lo.

Um aspecto importante é que todos os livros são escritos na primeira pessoa, o que na minha opinião os sentimentos da personagem principal (Bella) são facilmente captados pelo leitor. Bella é apresentada como uma típica adolescente, os pais separaram-se, a mãe arranja outro companheiro, o pai vive numa remota e chuvosa cidade chamada Forks. Bella resolve ir viver com o pai durante um tempo para que a sua mãe acompanhe o seu novo namorado nos treinos de basebol. Daqui nada de novo. O problema é quando Bella se sente atraída por um rapaz de sua nova escola, Edward Cullen, o rapaz mais excêntrico da escola. Quando ela descobre que ele é um vampiro, aí sim começa o grande drama.

Edward é o elemento essencial que faz com que Bella aceite ficar em Forks e que se adapte naquela lugar que ela inicialmente odiava, Bella diz no livro que odeia tudo o que seja húmido, chuvoso e frio, o aspecto muito curioso já que os vampiros são frios e ela acabava por se apaixonar por um!

Edward é nos apresentado como o rapaz mais lindo do mundo. Na minha opinião, todas as adolescentes que leram o livro, queriam um Edward só para elas! Ele é diferente, misterioso, enigmático, porém bastante belo e irresistível. Ele imediatamente desperta em Bella seus medos e desejos mais profundos e desconhecidos, um desassossego que ela não consegue explicar. Quando ela descobre o que Edward é realmente, Bella aceita com uma naturalidade paranormal. 

Aspectos que deixaram algumas pessoas perplexas era o quanto diferentes eram estes vampiros. Todos conhecemos os típicos vampiros que morrem queimados pela luz do sol, bebem sangue humano, dormem em caixões,entre outros. Na Saga Twilight, os vampiros também bebem sangue humano, mas a família Cullen não queriam ser uns “monstros” e alimentam-se de sangue de animais. Por isso é que toda a família Cullen tem os olhos de uma cor âmbar e os outros vampiros apresentados têm os olhos vermelhos. Para as pessoas que são mais tradicionais, não aceitaram muito bem que estes vampiros, em vez de serem queimados à luz do sol, brilhem! Sim, eles brilham à luz do sol! Stephenie Meyer diz no livro que é como se a pele tivesse revestida com pequenos diamantes por todo o corpo. Estes novos vampiros também não dormem em caixões, estes não dormem de todo! O cenário de Forks só ajuda ao mistério e ao sobrenatural, com a neblina e chuva constante. 

Uma personagem que não tem grande destaque neste livro, mas que nos outros passa a ser uma das principais, é o Jacob. Este é um rapaz com 16 anos mas que apresenta um físico de um rapaz de 18 anos. Jacob é um velho amigo de Bella de quando ela vinha visitar o pai em Forks, eles brincavam bastante mas quando Bella se ausenta de Forks durante muitos anos, aquela amizade começa a perder a sua chama. É de imediato que o leitor percebe que Jacob sente uma certa atração por Bella ou talvez algo mais, mas a personagem não é aprofundada, neste primeiro livro. 

Este livro já ganhou vários prémios, entre eles o Top 10 Livros para Jovens Adultos, da American Library Association. No ano de 2009, o enredo foi adaptado às telas do cinema, dirigido por Catherine Hardwicke e protagonizado por Kristen Stewart, Robert Pattinson e Taylor Lautner.


segunda-feira, 19 de março de 2012

Feliz Dia do Pai



Em três pequenas letras, numa só palavra, condensa-se um amor enorme, tanto carinho, tanto sentimento. Aquela pessoa que se sabe que sempre estará ao nosso lado, basta chamar por ele. Ele nos abraça e nos dá força quando mais precisamos. Está no nosso lado, nos bons e maus momentos, sempre apoiando. O meu melhor amigo, o meu confidente, o meu companheiro de partidas e brincadeiras. Eu sei que se olhar para trás, ele estará lá, olhando, zelando por mim para todo o sempre.

Feliz dia do Pai <3


quinta-feira, 1 de março de 2012

Resenha - Eventyr de Felipe Reino


“Quando a jovem Beatriz Misse encontra, a caminho da escola, uma caixa misteriosa que (ao abrir) a leva para outro mundo, a vida desta azarada garota muda completamente.  Após quase perder a cabeça depois de ser acusada de espionagem pelo príncipe Alexis (pelo qual acabou criando uma relação de amor e ódio), Beatriz se junta ao príncipe em uma jornada para encontrar os 6 pedaços do cristal cuja lenda diz que tem o poder de realizar desejos.  Com a ajuda de Neandro, irmão mais velho de Alexis e Nicardo, um misterioso e atraente rapaz, Beatriz acaba vivendo aventuras mágicas explorando os reinos deste novo mundo a procura do cristal que irá levar-la de volta para casa e descobrindo que o ódio é o sentimento mais próximo do amor e que seu príncipe encantado está mais perto do que ela imagina.”

Este é o primeiro livro de uma trilogia. È nos apresentado a Beatriz Misse, uma rapariga de 16 anos, que é completamente azarada. Tudo começa quando ela tropeça numa caixinha a caminho da escola e o pequeno objecto transporta-a para outro mundo, chamado de Ofir. Admito que esta parte da história fez-me lembrar muito “A Filha dos Mundos” de Inês Botelho, por causa da referência a um mundo paralelo.
Beatriz é encontrada pelo príncipe Alexis que a acusa de espionagem, sendo ele um rapaz meio arrogante e também com algumas características de imaturidade. Depois de ser feita prisioneira, Beatriz parte numa aventura com Alexis e com Neandro, irmão mais velho de Alexis. Os dois irmãos não têm uma relação muito pacífica devido ao facto de Neandro ter abdicado do trono por amor, já que se ele se apaixonou por uma rapariga que não era da realeza, mas sim do povo. Alexis nunca aceitou o casamento do irmão, porque acha que não existe nada no mundo mais importante que o reino e o trono.
Durante a viagem aparece uma nova personagem, Nicardo, um rapaz bastante atraente e bonito que demonstra logo um interesse por Beatriz. Aqui nasce um triângulo amoroso. A nossa heroína, a partir do meio da história, começa a ficar confusa por causa dos sentimentos que nutre por Alex, não tendo a certeza se aquilo será amor ou é simplesmente algo passageiro. Mas quando o príncipe fica à beira da morte, Beatriz não aguenta e confessa o seu amor. Alex, no primeiro momento, mostra-se ofendido e zangado, mas depois admite que também sente algo por Beatriz desde do momento que a viu. O livro acaba quando o grupo de amigos encontram os seis pedaços do cristal e Beatriz é obrigada a voltar para o seu mundo, e juntamente com ela irá Nicardo.
Um livro onde se encontra tudo: Aventura, comédia, romance e toques de mistério. Uma narração mágica para um mundo encantado onde é impossível não se encantar, "Eventyr" conquista não só pela sua história, mas também pelos seus personagens cheios de carisma e alguns quase caricatos. Os cenários, descritos em detalhes, fazem-nos sentir dentro do livro e as situações (cómicas, românticas ou de acção) sempre fazem o leitor querer esta lá.


Resenha - O Cadáver Trocista de Laurel K. Hamilton


“Algum tempo depois estava numa plataforma elevada, de frente para um semi-círculo quase perfeito de espelhos. Com sapatos de salto alto cor-de-rosa a condizer, o vestido de dama de honor tinha o comprimento ideal. Tinha também pequenas mangas tufadas e era descaído nos ombros, revelando quase todas as minhas cicatrizes.
Um vampiro partira-me a clavícula e o braço esquerdo, ao morder-me. Tinha também a marca de uma queimadura em forma de cruz, no antebraço esquerdo. Parecia a noiva de Frankenstein num baile de finalistas. Catherine, a noiva propriamente dita, não concordava. Achava que eu merecia estar no casamento por sermos boas amigas e eu estava a gastar uma boa maquia para sofrer uma humilhação pública. De facto, devíamos ser boas amigas... “

Vagueando solitária pelas ruas de St. Louis, uma criatura percorre os casebres mais escondidos, gerando o caos, morte e destruição, por onde passa. Sem ninguém apto a descobrir o motivo de tão horrendos cenários, resta a Anita Blake. Juntamente com a desagradável notícia de que o novo Mestre da Cidade (Jean-Claude) exige uma reunião com ela e dos confrontos gerados em torno de um humano que a quer forçar a animar algo que deveria de continuar enterrado para todo o sempre, está bastante claro que, para Anita Blake, apresenta-se mais uma semana difícil, com poucas horas de sono e muitas, muitas nódoas negras...

Anita Blake, de uma forma maravilhosa, continua a ser a alma do livro. Ela é tudo o que uma heroína poderia alguma vez sonhar ou aspirar a ser, e um pouco mais, com uma humanidade espantosa e uma fragilidade muito apropriada presentes na mesma equação. Sem dúvida uma mistura explosiva de violência, adoração por peluches fofos, ironia e feminilidade. A meu ver, uma protagonista cinco estrelas e simplesmente fenomenal.

Também igualmente cativante mas com uma menor participação neste segundo livro está Jean-Claude que persiste em manter uma atitude misteriosa – embora imensamente poderosa – e até persuasiva e sedutor. Gostava que a personagem estivesse mais presente neste romance, e mesmo a história que há entre Anita e Jean-Claude tivesse evoluído para um passo seguinte, mas isso não aconteceu. Anita continua a rejeitar a atração que sente pelo vampiro. Espero que seja no próximo livro que a animadora se decida, finalmente, a aceitar o convite para dançar do galante vampiro.

Para o futuro, fica o desejo de querer ler mais sobre Anita Blake e assim vou esperar pelo terceiro livro da saga “Anita Blake”.