terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Fenómeno Literário: Dom Chicote - Parte II


Estava a folhear uma revista da minha mãe, mais detalhadamente a TvMais da semana 30 de Novembro e 6 de Dezembro quando me deparei com isto:


É verdade! Mais um artigo a falar do livro "As Cinquenta sombras de grey" e da sua trilogia e não muito positivamente, tal como aconteceu na Revistar Ler (podem consultar esse tópico aqui). Parece que o Sr. Rodrigo Guedes de Carvalho acha que este fenómeno todo é, e passo a citar: 


É mais um caso de esperteza saloia, fugaz fenómeno de feira que vê oportunidades.
Concordam com esta afirmação? Ou talvez seja exagerada e um bocado para o rude? 

Deixo aqui mais alguns comentários:








Tenho que concordar com esta afirmação porque o que E.L James apresentou no seu livro não foi nada de novo e inovador. Dezenas de escritores/escritoras escrevem e publicam livros com esta temática e melhor desenvolvida.



~
Neste comentário também concordo porque eu sempre disse que a escrita destes livros era totalmente pobre, digna de um livro para crianças.







Digam a vossa justiça! Que acham desta crónica? Concordam com os factos que nos são apresentados? 
Eu, quanto leitora, acho um exagero esta "gritaria" toda por esta trilogia. Como disse numa das minhas opiniões, são livros para um domingo à tarde, para relaxar, até mesmo para rir porque aquela "Deusa Interior" e aquelas expressões de Anastasia irritavam-me tanto que até chegava a um ponto que para salvar a minha saúde de mental tinha que me rir. 

Reacções:

7 Rabiscos:

  1. o que dizer... apenas que é a eterna discussão dos pseudo-intelectuais sobre o que tem qualidade ou não. niguém deve criticar os gostos de ninguém. aqui em frança também surgiram textos do género. em resumo, não se gosta, não hà problema, mas respeitem os gostos dos outros. sinceramente fiquei com a impresso de "dor de cotovelo", mas posso so ser eu a dizer isto, porque apesar de reconhecer que esta muito longe de uma obra prima, acabei por gostar da trilogia.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em certos aspectos, eu também gostei da trilogia, noutros não gostei como acontece em muitos livros, não apenas nestes de E.L. James como em qualquer obra e escritor.

      Concordo contigo que está de longe de uma obra prima e que cada um gosta do que quer. Uns preferem romances, outros policiais, outros não-fição, entre outros.

      O cronista é de facto que em certos comentários exagerou, como disse no post em cima os que concordo com a opinião dele são os da escrita e que a escritora não apresentou nada de novo.

      Beijos :)

      Eliminar
  2. Tenho o livro há meses na fila de espera para ler. Ainda não me senti impelida a pegar nele!

    ResponderEliminar
  3. eu sei e concordo com o ultimo comentario que fizeste, mas acredita estou tou tão farta de ler artigos deste género... que acabei por "explodir" no teu blog :)
    realmente ela nada de novo acrescenta, eu nem considero este romance erotico, quem classificou isto de erotico e porno, nunca ler nada do género
    de qualquer forma, parabens pelo topico, gostei bastante :)
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu compreendo-te claro :) Realmente há muitos artigos a falar mal do livro que uma pessoa não aguenta mais e como disseste, acaba por "explodir".

      De estares a dizer que nem consideras este romance erótico, tive colegas minhas que leram excertos do livro e ficaram "Oh meu deus, que coisa fora do comum, isto é tão explícito", comentários do género e eu só pensava "ou são vocês que são muito pudicas ou sou eu que já ando a ler coisas que nem devia xD)

      Beijos :)

      Eliminar
  4. Somos então duas a ler coisas que não deviamos :)
    eu acho que se deve ao facto de ser um mercado "escondido" do mundo literario, e agora as editoras perderam a "vergonha" e decidiram apostar neste género, na minha opinião foi a unica coisa que esta trilogia fez de bom, abrir portas a um género do qual pouco se falava

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente isso é verdade. Porque se compararmos as Editoras lá de fora com as editoras portuguesas, há muitas que já apostavam neste género sem qualquer problema enquanto que as portuguesas, apostavam mas pouco e sempre com algumas restrições.

      Eliminar