quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Últimas novidades da Editorial Bizâncio



Gossip Girl Vol. 8 - Tudo nos Separa
Autora: Cecily Von Ziegesar,
Pág.: 272
ISBN: 978-972-53-0519
Ano: 2012
Preço: €12.61
Sinopse: Uau! Acabámos o liceu…quase. Ainda falta receber o diploma e conseguir encontrar a toilette certa. Falta saber se B e S fazem as pazes, se N ultrapassa a sua depressão, se V se decide entre A e D, com quem tem namorado em simultâneo, e se B se casa ou não se casa com o seu lorde inglês.




Alerta!! Pelos Burros
Autor: Paulo Caetano
Pág.: 192
ISBN: 978-972-53-0517
Ano: 2012
Preço: €27.5
Sinopse: Há animais com má fama, por vezes sem qualquer razão. O burro é um deles. De tal forma que o seu nome é, há muito, usado como insulto, como sinónimo de falta de inteligência. Uma clara injustiça para um animal dócil, capaz de aprender tarefas complexas e que foi, ao longo de séculos, um ajudante imprescindível ao trabalho nos campos agrícolas do nosso país. Hoje, por incrível que possa parecer, o burro está prestes a extinguir-se em Portugal. Mas há quem lute contra esta ameaça: criando santuários para burros «reformados», usando leite de burra em cosméticos, aproveitando este nobre e obediente animal em projectos de ecoturismo e até de asinoterapia – ajudando jovens deficientes a recuperar a sua confiança e auto-estima. Estas realidades são o cerne do novo livro de Paulo Caetano, reconhecido autor neste campo. Acompanhando cientistas que focam a sua pesquisa no burro, incluindo até um dentista especializado. A História, passando por vestígios arqueológicos e pela revelação de animais extintos, como o Equus hydrontinus e o talvez mítico zebro, tem também grande destaque neste livro, amplamente ilustrado, com fotografias que mostram as facetas inesperadas de um animal que todos julgamos conhecer. Descubra este recanto fascinante e escondido do nosso mundo lusitano.


Os Cinemas de Lisboa - Um Fenómeno Urbano do Século XX
Autora: Margarida Acciaiuoli
Pág.: 384
ISBN: 978-972-53-0518
Ano: 2012
Preço: €19.9
Sinopse: Tempos houve em que as salas de cinema proliferavam em Lisboa, dos múltiplos cinemas de bairro às salas memoráveis: como o S. Luís, o Chiado-Terrasse, o Tivoli, o Éden e tantos outros. Tempos houve em que ir ao cinema era um acto elegante, que merecia indumentária apropriada, e também um acto social – ia-se para ver e ser visto. As grandes salas de cinema foram desaparecendo da cidade e, hoje, vai-se ao cinema nos centros comerciais, no intervalo de umas compras. A história deste percurso é feita de modo notável, pela autora, numa obra onde o rigor caminha a par das memórias afectuosas que todos temos em relação àquela especial sala de cinema.

Reacções:

0 Rabiscos:

Enviar um comentário