sexta-feira, 13 de setembro de 2013

[Crítica Literária] Inocência Perdida de Nora Roberts

Na pequena cidade de Innocence, no Mississípi, os dias são compridos, as noites perfumadas e os segredos difíceis de preservar. Mas quando um assassino brutal ceifa as vidas das mulheres mais bonitas do local, amigos e vizinhos são obrigados a perguntar-se se se trata de um estranho à espreita no pântano... ou de alguém mesmo ali ao lado.

Esgotada por uma carreira frenética como violinista, Caroline Waverly chega a Innocence na esperança de que a casa da sua falecida avó lhe providencie a tranquilidade de que tanto precisa. Mas Innocence tem algo mais para lhe oferecer: o bonito e encantador Tucker Longstreet. Tucker é conhecido pelos seus romances curtos e superficiais. Mas quando vê Caroline sente que ela é diferente de todas as mulheres que conheceu. A reservada violinista também sente uma excitação inesperada ao pé dele, mas quando descobre a terceira vítima nas águas pantanosas por trás da sua casa e Tucker é considerado o principal suspeito, o seu caso de Verão pode transformar-se num caso de… vida ou morte.

As coisas que acontecem em Innocente, Mississipi, são tudo menos inocentes. Nesta pequena cidade foi encontrada mais uma mulher morta depois de uma discussão pública com um dos habitantes mais rico da cidade. Tucker é o principal suspeito de ser o assassínio, pois todas eram suas conhecidas e tiveram uma relação mais íntima com o protagonista. 

Caroline voltou para a sua cidade natal, mais precisamente para casa da sua avó falecida, para recuperar de um colapso e isolar-se de toda a sua família e da fama como violinista profissional. Tucker e Caroline acabam por ser como o cão e o gato, com uma atração tão grande que nenhum dos dois pode resistir. Eles acabam por se envolver, apesar dos avisos que Caroline recebe por se estar a envolver com um suspeito de homicídio. Sexo, segredos, traição, vingança, ciúmes e amor explodem como fogo de artifício na pequena cidade de Innocente.

Nora Roberts volta a surpreender-me, voltando a enganar-me. Pensei que pela primeira vez tinha descoberto quem era o vilão da história mas nas últimas páginas houve uma reviravolta que me fez ficar de queixo caído, literalmente! Adorei o facto de Tucker ter tantos defeitos, desanuviou-me dos romances que leio e que a personagem masculina é descrita como perfeita. O cenário é espetacular, quase que sentimos que estamos lá, naquela pequena cidade do sul. É habitada por personagens extravagantes, que dão vida à cidade com as suas atividades e os seus mexericos, o que é usual nestes pequenas cidades, todos sabem da vida dos outros. O facto que Nora não se centrou apenas nos protagonistas e deu destaques às outras personagens fez com que o livro ganhasse outra vida. Eu adorei o Jim e amizade de Cy; Burke e Susie, como estavam a reagir ao casamento da filha; as palhaçadas e piadas constantes da prima Lulu,; o cozinhar da Della; o relacionamento de Junior e da mulher que o traía, entre outros.

É um livro que classifico mais como um thriller com elementos românticos cheio de personagens caseiros que faz com que o leitor deseje uma vida numa cidade pequena!

Reacções:

2 Rabiscos: